23 abril, 2011

ESTORIA INTERESSANTE




VOCÊ E SEU CÃO ;


Há duas maneiras muito comuns de como se "começa" a criar um cachorro

em casa (duas estórias) e duas maneiras como as coisas "terminam".



Essas estórias são um bom exemplo de como nós, humanos, temos nos

relacionado com nossos cães ao longo dos anos e tenho certeza que vão

continuar se repetindo (a menos que eu possa ajudar)...


                      O COMEÇO

:O dono adquire um cachorro (ganhou, comprou, adotou, não importa).


Infelizmente o dono não tem a menor noção de como a cabeça do cachorro

funciona e não sabe se comunicar com ele. Então o dono trata o cachorro

como um filho, como se fosse um ser humano. O cachorro sente-se em um

ambiente carinhoso, mas ele cresce sempre confuso, não entende seu lugar

na matilha (família), ele fica ansioso e curioso...

Essa é a estória nr 2:

-O dono adquire um cachorro (ganhou, comprou, adotou, não importa).


Felizmente para todos, o dono entende como funciona a cabeça do seu cão

e começa a se comunicar com ele de maneira simples e eficaz. O cachorro sente-se em um ambiente carinhoso e acolhedor, sente a proteção e a

orientação do líder da matilha (dono) e sabe seu lugar na hierarquia do

grupo. Ele se sente seguro e feliz e sente que faz parte de uma família...
Como você já sabe...


Na estória nr 1,


o cachorro está perdido e confuso, não entende como

funciona esta matilha a que ele pertence e acha que é melhor tomar o

controle da situação.




Na estória nr 2, o dono é quem está no controle da situação. O cão

entende seu lugar e está tranquilo e feliz.



                             O FIM

CAO MIMADO

O dono ama seu cachorro e o mima como se fosse uma criança. O


cachorro não entende o comportamento do líder, fica ansioso e inseguro

e resolve assumir a liderança da matilha. Para os cães, o líder é

responsável por defender o território, a comida e os outros membros da

família. Aí ele começa a ficar agressivo com estranhos e outros animais,

urina em todo lugar para marcar o território e late desesperadamente para

se impor. A ansiedade cresce e ele começa a roer objetos e móveis e até

mordiscar as pessoas compulsivamente. O líder também é o que come

primeiro e o que dorme no melhor lugar. Aí ele nunca mais deixa ninguém

comer em paz, está sempre pedindo. Toma conta dos móveis e camas da

casa e começa a destruição. O dono tenta restaurar o controle, mas o cão
se acha o líder e pode se tornar agressivo inclusive com o dono para

defender sua posição na hierarquia.

                 CÃO EDUCADO

O dono ama seu cachorro e o trata com todo carinho e dedicação. Porém


o dono o trata de uma maneira que faz sentido na cabecinha dele, acostumado

a viver em matilhas. O dono entende que seu cão vai se sentir mais seguro

e feliz se entender que ele não é o líder, não é ele que tem que prover a

comida ou defender sua posição de líder. O cão fica tranquilo, não precisa

latir e roer o tempo todo para lidar com sua ansiedade, não precisa marcar


o território com sua urina. Ele obedece e respeita o líder e isso o deixa

feliz, pois é assim que funciona na natureza.



Se você olhar para as experiências entre donos e cães à sua volta, tenho

certeza que essas duas estórias vão descrever a maioria das experiências

que você já viu.




É óbvio que esses são exemplos, e cada estória real tem suas pequenas

variações e diferencas, mas uma coisa é clara:


VOCÊ PRECISA ENTENDER COMO A CABECINHA DO SEU CÃO

FUNCIONA... E COMO SE COMUNICAR COM ELE PARA QUE SEU


RELACIONAMENTO FAÇA VOCÊS DOIS FELIZES.



Se você não entender um pouco de psicologia e comportamento canino,

você vai acabar repetindo essa estória com seu cão também. Na realidade,

você pode mudar essa estória se VOCÊ QUISER:



E o segredo é:

1) Entender como a cabeça do seu cão funciona.




2) Entender como VOCÊ deve se comportar para não deixar que seu

relacionamento com seu cão se transforme em uma coisa pesada e

desagradável, e até mesmo perigosa.



Se você quer aprender como a cabeça do seu cão funciona e como se

comunicar com ele, dê-me um minuto de sua atenção e leia isto:

COMO FUNCIONA
Boa sorte e bom adestramento!
Guilhermo Coelho


http://www.adestradoramigo.com/
Com carinho
Canil Mini Company
desejamos que você seja feliz
com seu cãozinho
fone.
cel 15 97211610
resedencial 15 32515652
seja do tamanho que você escolher
rssrs













07 abril, 2011

Galgo Afegão

 O galgo afegão
Afghan hound                                                     é uma raça de cães de vigia muito antiga.
A raça possui este nome pois é originária do Afeganistão
Nome original Afghan Hound   

Outros nomes :Galgo afegane
Lébrel afegão











Aparência

    Seu aspecto geral deve ser nobre, forte e majestoso. A altura na cernelha vai de 68 a 74 cm, sendo as fêmeas um pouco menores que os machos.
     Sua cabeça é longa, reta e fina, com stop moderado. A trufa do nariz é negra ou fígado, olhos pequenos de formato quase triangular, que podem ser escuros ou amarelos.


   O pêlo é fino e sedoso, mas deve ser curto ao longo da coluna e mais longo, formando uma franja na parte inferior do corpo. Deve ser escovado frequentemente. A cauda termina com um anel encaracolado.
Suas cores mais comuns são fulvo, negro, tricolor, preto com marrom, creme, mas todas as cores são admitidas.




            Temperamento
Corajoso, doce e sensível, gosta de dar loucas corridas eventualmente, por isso é melhor que seja criado em lugares espaçosos. É desconfiado com estranhos, sem contudo demonstrar-se hostil. Não é adequado para guarda, e deve ser treinado de forma gentil, com boas maneiras. De acordo com o livro A Inteligência dos Cães, de Stanley Coren, o galgo afegão é o último colocado. Isso não quer dizer que a raça seja "burra", mas que simplesmente eles não fazem a menor questão de obedecer a comandos. É importante ter em mente que a "inteligência" para Stanley Coren, é definida como "Inteligência de Obediência e Trabalho", e não da inteligência "Instintiva" dos cães.


                          Saúde

Afghans são uma raça relativamente saudável; a maioria dos problemas de saúde são alergias e câncer. Sensitividade à anestesia é um problema que o galgo afegão tem em comum com cães de corpo esbelto, pois estes cães tem pouca gordura no corpo.Normalmente os Afghans são cães fortes e resistentes, não havendo registro de doenças específicas da raça. No entanto, de maneira geral tem predisposição para desenvolver alguns problemas:
Otite – especialmente pelo formato de suas orelhas mais longas. A prevenção é basicamente feita com a limpeza semanal dos ouvidos para diminuir os riscos de infecção. Tártaro e problemas de gengivite

Raquitismo – em função de seu rápido crescimento, está sujeito a raquitismo, que pode causar deformações ósseas e dificuldade na locomoção. Em filhotes é possível evitar ou corrigir a doença. Mas nos adultos não há cura.

História
Foi originalmente usada para caçar lobos, raposas e gazelas. Após chegar à Europa e às Américas, graças à sua extraordinária beleza, foi transformado unicamente em cão de luxo. Para que possa participar de exposições, sua delicada e longa pelagem demanda muitos cuidados, portanto não foi mais sendo utilizado na caça.

Existe uma disposição a uma doença oftálmica por um defeito hereditário recessivo, a catarata. Sempre se achou que a raça datava da era pré-Cristã, e descobertas recentes por pesquisadores estudando DNAs antigos revelaram que o Galgo Afegão de fato é uma das mais antigas raças.
.

                                  Curiosidades

Sua exportação era proibida em seus países de origem, portanto essa raça chegou à Europa já totalmente desenvolvida apenas no Século XX, por contrabando.
O primeiro cão clonado foi um da raça galgo afegão chamado de Snuppy. Antigamente exemplares desta raça eram usados para caçar leõesCuriosidade


O primeiro cão clonado no mundo, em 4 de agosto de 2005 por cientistas da Coréia do Sul, foi um da raça Afghan Hound, chamado Snuppy.



História

A raça originou-se no Afeganistão, provavelmente trazida por povos nômades que cruzavam o país tendo como destino a China e Índia. Originalmente, era usada para caçar lobos, raposas e gazelas. Quando chegou à Europa e à América do Norte, foi transformado em cão de luxo, por causa de sua beleza.



Características

O Afghan Hound tem aparência nobre e majestosa. Corajoso, doce e sensível, é um cão inteligente e um pouco desconfiado com estranhos. "Ele tem o rei na barriga", define a criadora Heloísa Quintano da Silva, do Canil Just Delight, de Cotia (SP). "Ele é apaixonante, paciente e não é agressivo com crianças." Segundo ela, essa raça detesta solidão, é extremamente amorosa e, em geral, entrega o amor dela a uma só pessoa. "Mas o que ele gosta mesmo é de ter um sofá ou tapete para dormir", diz.
Alto e magro, sua altura varia de 65 a 75 centímetros e o peso entre 23 e 25 quilos. "O que se vê são os pêlos", diz Heloísa.
A pelagem dá trabalho e deve ser escovada freqüentemente. A criadora faz uma mistura de condicionador e água e borrifa nos pêlos do animal para ficarem mais fáceis de desembaraçar. Suas cores mais comuns são dourada, preta tricolor e preta com marrom.
Muito limpo, este cachorro não gosta de ficar em lugar sujo. "Um jornal é suficiente para demarcar o espaço para ele fazer suas necessidades fisiológicas", afirma a criadora.


Cuidados Básicos


As orelhas longas devem ser limpas regularmente. A pelagem dá trabalho e deve ser escovada freqüentemente para que não fique cheia de nós. Se ficar, uma mistura de condicionador e água borrifada sobre os pêlos ajuda a desembaraçá-los. Este cão costuma viver cerca de 12 anos. As principais causas de morte, segundo pesquisa do UK Kennel Club, são morte por câncer (31%), idade avançada (20%), problemas cardíacos (10,5%) e urológicos (5%). A raça costuma apresentar também alergias e é bastante sensível a anestesias





                                      O filhote
                                                                       
O filhote de Afghan passa por uma transformação total até chegar aos dois anos. Logo que nasce não lembra nem de longe a elegância de um adulto. Tem a cara chata, focinho curto e poucos pêlos.





 Aos poucos, começa a ‘parecer’ um Afghan e a partir dos 3 meses fica mais fácil de identificar as características da raça.
Como todos os filhotes, o Afghan precisa, desde cedo, perceber quais são os seus limites de maneira clara. Especialmente devido ao seu temperamento independente, aulas de obediência devem ser feitas preferencialmente pelo proprietário e de maneira que o filhote sinta-se estimulado constantemente, caso contrário as aulas podem ser uma grande frustração para o proprietário.
Não se deve perder de vista o fato de que o Afghan tem um temperamento muito típico, mas que corretamente estimulado pode ser um cão bastante obediente.
Um dos principais cuidados que se deve ter com o filhote é proporcionar bastante atividade física, mas nunca se deve soltar um afghan (mesmo depois de adulto), num espaço sem proteção de grades, caso contrário o cão pode facilmente escapar e será muito improvável que o proprietário consiga alcançar um Afghan correndo.
Caso o cão more em casa com quintal, deve-se ter o cuidado de aumentar o muro para uma altura segura. Afghans conseguem pular grandes alturas com relativa facilidade. 




Sammy e irmãos
SAMMY é a mais nova moradora do canil
filha de Orfheu e Vitoria
LINDA E MUITO DÓCIL 
COMPANHEIRA  PREOCUPA-SE
COM TUDO E FICA NA DELA.
VITORIA

ORPHEU
AMEIS ESSES DOCEIS GALGOS AFHGANS

UM CASAL SEM SOMBRA DE DÚVIDA
VOCEIS VÃO AMAR TAMBEM,
com carinho Canil Mini Company
obrigada pela visita.
15 97117732
1597211610

1597-232135