11 agosto, 2010

HORA DO PASSEIO COM SEU CÃOZINHO

Devido à rotina agitada dos donos, os cães ficam horas e horas sozinhos e às vezes, em pequenos espaços. Hoje em dia, muitas pessoas criam seus cães em apartamentos e os passeios rotineiros de volta no quarteirão, por vezes, não são suficientes para fazer com que o seu cãozinho gaste suas energias. Assim, ele acaba voltando pra casa ainda agitado.


Os cães de grande porte, independente do local em que vivem, seja ele de pequeno ou médio porte, podem requerer passeios diários.

DÊ UM TEMPO PARA ELES Muitos donos de cachorros não passeiam com seus animais por falta de espaço na agenda. O ideal é reservar uma parte do dia para o seu cão, mas o mercado já oferece serviços que substituem você na tarefa .
Você ja reparou a festa que seu animalzinho faz quando você chega em casa ?

 
O excesso de compromissos faz muita gente ficar sem tempo para cumprir todas as atividades diárias. Algumas delas, como levar o cãozinho para passear, acabam fora da agenda. Veterinários já notaram a tendência: é cada vez maior o número de pessoas que não passeiam com seus animais. O bicho aprende a fazer xixi e cocô em um cantinho reservado da casa. Mas deixá-los presos durante todo o dia pode acarretar em problemas de saúde e distúrbios de comportamento. “O sedentarismo desencadeia neles os mesmos tipos de doenças que os humanos desenvolvem. Obesidade, problemas nas articulações e doenças cardíacas, tornaram-se muito comuns".




CURIOSIDADE

Contatos Profissão em alta: levar cães para passear

Desde que trocou a profissão de caseiro pela de passeador de cachorros, há três anos, Airton Tadeu Viana tem a agenda lotada. Aos 36 anos, trabalha das 7 às 19 horas, com entusiasmo. Tem 15 clientes por dia e cobra de R$ 5,00 a R$ 15,00, dependendo do serviço. “O pessoal está acostumado comigo, tem um que até pagou a minha carteira de habilitação. Já virei chofer de cachorro”, conta. Quando caseiro, o salário não chegava a R$ 400,00. Hoje, Viana ganha em média R$ 1.300,00. Airton Viana é um dos muitos dogwalkers ou dog-sitters que trabalham na cidade.

Quem passeia pelas regiões dos Jardins, Pacaembu e Higienópolis pode perceber a presença deles. Uma atividade que vem crescendo tanto, que já se estuda a sua regulamentação. Muita gente começa como Viana, que sempre gostou dos animais. Gosta tanto, que sai do Grajaú às 4h30 rumo à Praça das Guianas, nos Jardins. Ele anda todos os dias com uma meia-dúzia de golden retrievers, schnauzers e labradores.
Foi assim que a consultora de estética Branca Esteves conheceu o trabalho e mudou a vida dos seus dois dachshunds Pindin, de 7 anos, e Melvin, de 8 meses. “Eu não tinha tempo para sair com eles. Acabava sacrificando a minha agenda e o passeio deles”, diz Branca. Os passeios, segundo ela, eram um “horror”. Apressada, caminhava pela redondeza do bairro às 7 horas, de saia e salto alto. “Eles continuavam estressados.” O comportamento mudou depois das duas caminhadas diárias.
Entre os sintomas do stress: Pindin urinava em qualquer lugar da casa e Melvin rasgava as roupas. “Como um ser humano, o cão também tem a necessidade de sair, de passear, movimentar o corpo, sentir outros cheiros, ver outras paisagens”, explica o zootecnista Alexandre Rossi, especialista em psicologia comportamental de cães.
A maioria dos cachorros que a adestradora Maria Fernanda Faria dos Santos, de 43 anos, leva para passear é prova disso. Um deles, segundo Fernanda, ficou enciumado depois que os donos tiveram um filho. “Ele roía objetos da casa, o que mostra o seu estado psicológico. No passeio, além de ensinar comandos, o cão fica mais dócil, se socializa, gasta energia”, comenta Fernanda, que cobra R$ 40,00 a hora.
Por isso, cães que eram agitados, como a labradora Cora, de 5 anos, acabam ganhando força física e tornam-se mais obedientes. “Depois de adestrada pela Fernanda, que passeia com ela duas vezes por semana, é muito mais fácil passear com a Cora”, diz a empresária Sílvia Carramaschi.

Diante dessa rotina, passeador, cão e proprietário viram cúmplices. Não é raro ver o passeador chegar e ser recebido pelo animal como se fosse o dono. “Isso porque o passeio se torna um momento de felicidade para eles”, salienta Rossi. É assim que o casal Raquel Yukie Hama e Paulo Carreiro, ambos de 27 anos, é recebido pelos cães e pelos clientes. Donos de uma empresa especializada em passear com cães, a Dogwalker, eles se tornaram empresários quase por acaso, quando Raquel levava cachorros dos vizinhos para passear no Ibirapuera. Ela só pedia uma contribuição. “Eu tinha acabado de ganhar um labrador e ficamos conversando sobre os cães”, lembra Carreiro.



Como Raquel ia a pé, Carreiro se ofereceu para levar cachorros. “Tinha um carro velho e levava alguns cães. Nem preciso falar como o carro ficou.” Seis meses depois, começaram a namorar. Casados, montaram a empresa e hoje têm até uma van para levar os “clientes”. Raquel, ex-bancária, e Carreiro, web designer, dão aulas para passeadores que querem se aperfeiçoar. “Temos orientação com uma psicóloga comportamental, um veterinário dá curso de primeiros socorros e ensinamos como controlar os cães”, diz Carreiro.

Além desse curso, os interessados podem procurar escolas que dêem noção de adestramento e aulas para condutores de cães. São rápidos e não custam muito”, diz o cinófilo Anderson Rodrigues. O presidente da Associação Brasileira de Cinotécnicos, Sérgio Moro, faz outro alerta: como a profissão não é regulamentada, estão ocorrendo acidentes que podem prejudicar a imagem dos passeadores. “Estamos procurando a regulamentação no Centro de Controle de Zoonoses, que estuda legalizar também a profissão de adestrador”, diz.



O perigo, segundo ele, está fato de o mercado estar “lotado de pessoas que não têm o mínimo de preparo”. A maioria dos dogwalkers é gente que está desempregada e viu aí uma forma de sobreviver. Mas é importante que procurem aumentar o conhecimento, para não prejudicar quem faz um trabalho sério.” Entre as obrigações dos passeadores, uma exigência que nem sempre é obedecida: os donos querem que as fezes dos animais sejam recolhidas depois do passeio.



(O Estado de S. Paulo – 10/03/04)

http://sites.google.com/site/passeadordecachorro/


PORTANTO VAMOS LEVAR NOSSO CÃOZINHO PARA PASSEAR POIS ISSO É MUITO BOM
BOA SORTE COM SEU PASSEIO
 com carinho  CANIL MINI COMPANY

08 agosto, 2010

COMO ENSINAR MEU CÃOZINHO A FAZER XIXI NO LUGAR CERTO

            As vezes deixamos de ter nosso cãozinho porque as mamães acreditam que eles fazem muita sujeira.
        Mas oque elas não sabem é que podemos educar nossos cãezinhos.
        Quando são bebês eles começam a entender que os donos ficam felizes quando fazem a coisa certa.
        Então porque não educa-los?
        Existem várias formas de se educar um cãzinho:
        - colocar jornais no lugar onde ele faz xixi é uma boa,ele se acostumará a fazer no jornal e no final do dia você joga fora,sem falar que toda vez que fizer xixi la no jornal você o elogia.  
        - outra forma é colocar um produto que se compra em pet, tambem,mas não esqueça de elogiar quando faz seu xixi no locar que você colocar o produto.
         - não podemos esquecer de quando seu cachorrinho fizer xixi no lugar errado...tem que limpar muito bem para que não fique cheiro nenhum pois se ficar cheiro ele volta a fazer no mesmo lugar.
         -não perca a paciencia com o seu filhote. Ele aprenderá logo que estiver pronto, o cachorrinho pequeno pode entender que você não quer que ele faça xixi e ter medo de faze-lo.
         - sendo assim ele vai segurar o
xixi e fazer em qualquer lugar.
Tenho certeza que seu animalzinho vai lhe trazer muitas felicidades e vai fazer você muito feliz ,pois é o que ele mais gosta
Desejo para você muita sorte com o seu animalzinho

             Canil Mini Company (: